Uma Tarde de Verão

by João Abreu

Uma Tarde de Verão

  Sim, sim, eu não me esqueço, não se preocupem, eu já volto, tentava esconder a ansiedade mas eles sabiam que eu estava a mentir, nunca gostei disso, é algo de família e incomoda-me que nunca lhe tenha apanhado o jeito, eu não ia voltar tão cedo, não hoje, o sol que brilha de uma maneira tão estonteante e a leve brisa em que esvoaçam teus caracóis impedem-me de o fazer, juraria a inexistência de algo mais belo que tal imagem, teria razão, em tão tenra idade a beleza não é mais que um conceito abstracto constituído por recortes de memórias e saudades e que sou eu senão uma criança, a simples ideia de estar contigo pinta a minha cara de outra cor e que sou eu senão uma criança?

  Encontramo-nos no parque junto ao lago amanhã, é engraçado, já lá passámos tantas tardes juntos nos últimos verões e hoje é diferente, talvez não no calor insuportável que se faz sentir nesta terra fantasma para onde nos arrastam os nossos pais mas na minha mente, não sei se na tua também, e eu ia… eu vou dizê-lo, ou penso que sim, é possível que fique demasiado nervoso e comece a engolir as palavras e contudo espero que não, tive tanto tempo para me preparar depois de me convencer que o ia fazer quando nos despedimos há um ano atrás, quando me apercebi que te dizer adeus custava só um bocado demais e que o teu sorriso não ajudava em nada a aliviar esse sentimento, e espero mesmo que te consiga dizer tudo o que tenho a dizer.

  Olá, olá, olá, repetia nos meus pensamentos a conversa que ia ter contigo quando chegasse ao parque, ou pelo menos a conversa que queria ter – também tive em mente a alternativa menos apelativa no meio desses intermináveis diálogos imaginários, deixar as expectativas à solta é uma boa maneira de acabar magoado e eu sei disso, não sou assim tão ingénuo, embora esse facto não me tenha impedido de dar seguimento aos sonhos me acompanham desde casa, é impossível controlar, nunca tive tão excitado na minha vida e, ao mesmo tempo, também nunca tive tão assustado.

  Estás à minha espera, vejo-te ao longe de azul sentada com o teu vestido e o teu chapéu de palha, o meu coração pára por momentos e a minha cabeça fica em branco, hoje é o dia…

Advertisements